• Facebook
  • Google Plus
  • Apple
  • Android
  • Mobile
  • RSS
MotoGP: Márquez “salva-se” no limite
Publicado em 04.Sep.2013
Seja o primeiro
a comentar
este artigo.

À quinta tentativa, Jorge Lorenzo conseguiu, finalmente, interromper a série de quatro vitórias consecutivas de Marc Marquez no Mundial de MotoGP, num Grande Prémio da Grã-Bretanha, em Silverstone, emocionante, que teve como principais protagonistas aqueles dois pilotos. É que Dani Pedrosa, o colega de Marquez na equipa Honda, foi pouco mais do que um mero espectador da luta pela vitória, como, aliás, se percebeu durante o tempo que esteve no pódio, no final da corrida…

Apesar da segunda posição, Marc Márquez tinha múltiplos motivos para sair de Silverstone satisfeito, especialmente pelo facto de a violenta queda sofrida no “warm up” de domingo de manhã não ter tido consequências graves no seu ombro esquerdo, que sofreu apenas uma ligeira deslocação. A participação na corrida, pouco menos de duas horas depois de sofrer a queda, do líder do campeonato chegou a estar em dúvida e apenas uma boa dose de anestesia, ministrada pela equipa médica do circuito, lhe permitiu suportar as dores.

Mesmo assim, Marquez rodou sempre em segundo, atrás de Jorge Lorenzo, desde a partida, para na parte final ensaiar, com êxito, a ultrapassagem ao piloto da Yamaha, liderando a corrida pela primeira vez. Contudo, foi sol de pouca dura, já que o seu rival não lhe deu hipóteses…

“Os médicos fizeram um grande trabalho. Infiltraram-me, pois tinha bastantes dores, mas no final da corrida já foi complicado, especialmente nas mudanças de direção da esquerda para a direita. A sorte é que não havia muitas curvas para a esquerda…”, confessou Marquez, que em relação à discussão da vitória contou:

“Fiz a última volta no limite. Sabia que apenas havia um ponto de ultrapassagem e tentei aí a minha sorte. Lamentavelmente, abri demasiado a trajetória… Estes 20 pontos já os tinha amealhado sem estar mal do ombro, porque sabia que o Jorge [Lorenzo] tinha um grande ritmo nesta pista, por isso estou contente”.

Lorenzo, por seu turno, rejubilou de alegria com esta vitória, tanto mais que reconhece que a Yamaha se encontra uns furos atrás da Honda…

“Com esta moto é muito difícil e este circuito até lhe era mais favorável. Em condições normais, é difícil conseguir três ou quatro vitórias seguidas. Não fica bem que o diga, mas estamos em inferioridade. E Marc é um fenómeno, tem um talento extraordinário, nunca baixa os braços. Neste sentido, é melhor do que Casey [Stoner] e Dani [Pedrosa], mas creio que com uma moto melhor eu poderia ter escapado em muitas corridas”. 

Classificação após a 12ª das 18 provas do Mundial de MotoGP:

1º, Mar Marquez (Honda), 233 pontos

2º, Dani Pedrosa (Honda), 203

3º, Jorge Lorenzo (Yamaha), 194

4º, Valentino Rossi (Yamaha), 156

5º, Cal Crutchlow (Yamaha), 136

 

Moto3: Miguel Oliveira em alta

Miguel Oliveira voltou aos bons resultados no Mundial de Moto3 em Silverstone, ao terminar a corrida em quinto, atrás do pelotão das KTM, no termo de uma corrida ganha por Luís Salom, secundado por Maverick Viñales e Alex Rins.

Desta vez, o jovem piloto da equipa indiana Mahindra pôde andar bem mais rápido no grupo da frente e amealhar um número significativo de pontos no campeonato.

“Encontrámos um bom caminho na afinação da moto, o que me permitiu fazer uma boa corrida”, explicou Oliveira.

E haverá novidades em breve…

“Dentro de uma semana farei testes com um novo chassis, para recolha de informações que permitam melhorar e reduzir a diferença para os nossos rivais”.

Classificação após a 11ª das 17 provas do Mundial de Moto3:

1º, Luís Salom (KTM), 233 pontos

2º, Maverick Viñales (KTM), 207

3º, Alex Rins (KTM), 200

4º, Jonas Folguer (KTM), 120

5º, Alex Márquez (KTM), 117

6º, Miguel Oliveira (Mahindra), 95

7º, Jack Miller (Honda), 65

Envie o seu comentário

Todos os comentários que colocar mostram o seu nome. Ao enviar um comentário está a aceitar os nossos Termos e Condições.

*Campos obrigatórios