• Facebook
  • Google Plus
  • Apple
  • Android
  • Mobile
  • RSS
F.1: Raikonen também esfria os pneus
Publicado em 17.Mar.2013
Seja o primeiro
a comentar
este artigo.

Kimi Raikkonen, o “Ice Man”, e a Lotus tiveram um início de época brilhante no Mundial de Fórmula 1, vencendo o Grande Prémio da Austrália, numa prova que deixou boas indicações, em termos de competitividade, e na qual foi determinante a conjugação da estratégia com o uso adequado do tipo de pneus disponibilizados. Como já se suspeitava, especialmente depois dos últimos testes de pré-época em Barcelona, entender os parâmetros de funcionamento das misturas propostas pelo fornecedor oficial (Pirelli) de pneus – supermacios e médios – seria fundamental e isso confirmou-se no traçado urbano de Melburne, onde Raikkonen demonstrou que também “esfria” os…pneus e ao optar por duas paragens, quando a concorrência direta fez três, ficou desde logo em vantagem para vencer de forma algo surpreendente. E ainda marcou a volta mais rápida da corrida, o que não deixa de ser, igualmente, relevante.

Mas o primeiro lugar de Raikkonen e do Lotus/Renault na abertura do campeonato não significa, necessariamente, que sejam o melhor conjunto do plantel, deixando bem para trás o favorito Red Bull do tricampeão Sebastien Vettel. Este continua na linha da frente, como se viu, aliás, ao conquistar a “pole position” seis horas antes da corrida – recorde-se que a qualificação decorreu mais tarde que o horário habitual, devido à chuva intensa que inundara a pista –, à espera de um melhor acerto na exploração dos pneus. Porque, de resto, tudo indica que o Red Bull continua a ser o carro mais rápido e apenas um desgaste prematuro de pneus terá impedido Vettel de discutir a vitória. E não muito distante surge a Ferrari, que confirmou uma evolução significativa face ao ano transato, com a base do novo monolugar a permitir a Fernando Alonso ter ambições de, finalmente, poder discutir o título de 2013.

Se a McLaren dececionou, passando quase despercebida, a Mercedes deu boas indicações para o futuro, mesmo considerando que a prova australiana – tal como a seguinte, na Malásia, em que a chuva é quase presença habitual… – não servirá de padrão para o resto da temporada.

Ficou, contudo, a ideia de que este Mundial poderá ser mais repartido, a nível de luta pela vitória, que o anterior, com a estratégia do uso de pneus a revelar-se determinante, pelo menos nesta fase inicial, até todas as equipas e os pilotos perceberem exatamente até onde podem ir…

A próxima prova será o Grande Prémio da Malásia (24 de Março).

A estratégia do vencedor

Segundo os dados disponibilizados pela Pirelli no final do GP da Austrália, antes da corrida a previsão elaborada indicava que a estratégia vencedora consistia em apenas duas paragens nas boxes, para troca de pneus, durante as 58 voltas da corrida. A primeira, para substituir os supermacios (vermelhos) por médios (brancos) ocorreria na volta 14 e a segunda e última, para montar pneus médios novos, na volta 36. Raikkonen e a Lotus seguiram essa tática quase à risca, parando a primeira vez na volta 9 e a segunda na 34.

O piloto finlandês da Lotus estabeleceu a volta mais rápida da corrida na volta 56, a penúltima da corrida, quando os seus pneus médios já somavam 22 voltas.

 

Classificação final

1º, Kimi Raikkonen (Lotus/Renault), 1h30m03,225s

2º, Fernando Alonso (Ferrari), a 12,451

3º, Sebastien Vettel (Red Bull/Renault), a 22,346

4º, Felipe Massa (Ferrari), a 33,577

5º, Lewis Hamilton (Mercedes), a 45,561

6º, Mark Webber (Red Bull/Renault), a 46,800

7º, Adrian Sutil (Force India/Mercedes), a 1m05,068s

8º, Paul Di Resta (Ford India/Mercedes), a 1.08,449

9º, Jenson Button (McLaren/Mercedes), a 1.21,630

10º, Romain Grosjean (Lotus/Renault), a 1.22,759

11º, Sergio Perez (McLaren/Mercedes), a 1.23,367

12º, Jean-Éric Vergne (Toro Rosso/Ferrari), a 1.23,857

13º, Esteban Gutierrez (Sauber/Ferrari), a 1 volta

14º, Valtteri Botas (Williams/Renault), a 1 volta

15º, Jules Bianchi (Marussia/Cosworth), a 2 voltas

16º, Charles Pic (Caterham/Renault), a 2 voltas

17º, Max Chilton (Marussia/Cosowrth), a 2 voltas

18º, Van der Garde (Caterham/Renault), a 2 voltas

Desistências

Nico Hulkenberg (Sauber/Ferrari), 1ª volta

Pastor Maldonado (Williams/Renault), 25ª volta

Nico Rosberg (Mercedes), 26ª volta

Daniel Ricciardo (Toro Rosso/Ferrari), 40ª volta

MUNDIAL

Pilotos

1º, Kimi Rakkonen, 25 pontos

2º, Fernando Alonso, 18

3º, Sebastien Vettel, 15

4º, Felipe Massa, 12

5º, Lewis Hamilton, 10

6º, Mark Webber, 8

7º, Adrian Sutil, 6

8º, Paul Di Resta, 4

9º, Jenson Button, 2

10º Romain Grosjean, 1 

Construtores

1º, Ferrari, 30 pontos

2,º Lotus-Renault, 26

3º, Red Bull/Renault, 23

4º, Mercedes, 10

5º, Force Índia/Mercedes, 10

6º, McLaren-Mercedes, 2

Envie o seu comentário

Todos os comentários que colocar mostram o seu nome. Ao enviar um comentário está a aceitar os nossos Termos e Condições.

*Campos obrigatórios