• Facebook
  • Google Plus
  • Apple
  • Android
  • Mobile
  • RSS
24 Horas de Le Mans: maratona apaixonante
Publicado em 20.Jun.2013
Seja o primeiro
a comentar
este artigo.

As 24 Horas de Le Mans, sem dúvida o acontecimento desportivo motorizado deste próximo fim-de-semana (22/23), cumprem agora a sua 90ª edição e continuam a ser uma prova única no mundo das corridas de automóveis – rivalizando em notoriedade com as 500 Milhas de Indianápolis – que ano após ano levam à pista de La Sarthe uma impressionante multidão, sem contar os que a seguem, bem longe de França, pela TV (mais de quatro dezenas de canais em direto, entre os quais norte-americanos e japoneses), garantindo uma audiência gigantesca… à escala planetária. Há cinco anos (2008), por exemplo, quando Pedro Lamy, então na equipa oficial da Peugeot, terminou a corrida no quinto lugar com o 908 HDI-FAP, numa edição em que a Audi (Capello/Kristensen/McNish) ganhou pela terceira vez consecutiva com o carro diesel, estiveram no circuito 258.500 espetadores, segundo o número fornecido aos jornalistas pelo Automobile Club de L’Ouest (ACO). A competição em pista, juntando os veículos (sport protótipos e turismos) que são o expoente máximo, em termos de tecnologia e de performance, das corridas de resistência, e a animação permanente fora dela (concertos musicais, exposições, carrosséis, etc.) criam um ambiente verdadeiramente fantástico que começa a meio da semana e atinge a sua dimensão máxima no sábado e no domingo.

Se em 1923, quando avançou com a ideia de criar uma competição diferente, o ACO pretendia que a mesma pudesse contribuir para a evolução técnica do automóvel, a verdade é que terá conseguido muito mais do que isso. Hoje, Le Mans é uma marca de valor incalculável, a sua corrida de 24 horas está acima de qualquer campeonato (leia-se a necessidade de fazer parte dele…) e não há nenhum construtor da indústria automóvel que ignore o sabor e os efeitos, mediáticos e não só, de uma vitória na mítica pista da região de La Sarthe.

Não há muitos anos, seria algo difícil imaginar um carro com motor diesel a vencer as 24 Horas de Le Mans em confronto direto com os de gasolina – independentemente de questões relacionadas com os consumos de combustível e as inevitáveis diferenças ditadas pelo número de paragens nas boxes para reabastecer –, mas a evolução tecnológica permitiu que tal acontecesse, como a Audi, a marca que maior domínio exerceu desde 2006 na corrida francesa, demonstrou ao ganhar cinco vezes. Mas essa mesma evolução tecnológica dos automóveis nas corridas de resistência não estagnou, em termos de motor, nos diesel, e em 2012, ano em que a Toyota decidiu regressar oficialmente às provas de resistência, num desafio à supremacia da Audi, ambas optavam pela tecnologia híbrida (motor diesel e motor elétrico). Com mais experiência e rodagem na corrida francesa, recorde-se, triunfou a Audi, para voltar a fazer história em Le Mans: foi a primeira a vencer com motor diesel e… a primeira a vencer com um híbrido.

Nesta edição dos 90 anos repetir-se-á o confronto entre os híbridos da Audi e da Toyota, com os primeiros a continuarem na posição de favoritos a levar para Ingolstad mais um troféu, num ano em que surge um dado novo e muito importante em relação ao futuro: a Porsche anunciou o seu regresso para 2014 às corridas de resistência. Desnecessário será dizê-lo, mas o objetivo é vencer as 24 Horas de Le Mans para reeditar êxitos do passado ou não fosse o construtor mais vitorioso de sempre da prova francesa, com 16 vitórias, à frente da Audi (11) e da Ferrari (9).

Timo Bernhard e Romain Dumas, ex-pilotos da Audi, foram contratados pela Porsche para o projeto de desenvolvimento do seu novo carro, cujas primeiras imagens já foram dadas a conhecer, embora com uma pintura camuflada…

“O objetivo não era, obviamente, mostrar as formas do nosso carro… Sem a pintura [camuflagem] que foi apresentada, até é muito bonito! Direi que foi bem concebido. Desde há um ano que trabalhamos no cockpit, tentando aproveitar da melhor forma aquilo que aprendemos com os outros [Audi, Peugeot e Toyota]. Estamos a trabalhar numa maqueta da carroçaria à escala real para confirmar a posição de condução e a disposição dos diferentes comandos”, comentou Romain Dumas.

Em suma, no próximo ano, com o regresso da Porsche, as 24 Horas de Le Mans ganham um renovado motivo de interesse… em mais uma maratona de paixão para quem gosta de corridas de automóveis especiais num ambiente único. Ali conflui gente de todo o mundo, tal como os muçulmanos vão em peregrinação a Meca.

Envie o seu comentário

Todos os comentários que colocar mostram o seu nome. Ao enviar um comentário está a aceitar os nossos Termos e Condições.

*Campos obrigatórios